Dona Imprensa e seus dois ‘Jaíres’

Boslonaro e jornais

Dona Imprensa e seus dois ‘Jaíres’

Quando o governo é de direta (nazista, desculpe), a cobertura da imprensa parece briga de casal apaixonado.

Tome-se o episódio da Patricia Campos Mello, por exemplo. A imprensa reclamou, reclamou, mas dois dias depois já estava tudo bem com o ‘mozão’ do Planalto. Um fazendo a caipiroska da reforma administrativa e o outro pilotando o fogão das milícias, fazendo beicinho e esticando a colher pra ver se o feijão preto está bom de sal.

Tudo ao som da TV ligada lá na sala retransmitindo o desfile das escolas de samba.

E dá-lhe insulto machista. Aliás, dá-lhe porrada: Bolsonaro, o mozão da imprensa, bate na coitada todo o santo dia, xinga, ameaça, e a Dona Imprensa, fica lá, com o avental surrado, passando o pano na cerveja golpista e melequenta, derrubada e amanhecida no piso da cozinha – que tem de estar sempre impecável.

Ela poderia, pelo menos, fazer um B.O., não é?

Enfim, casamento é que nem escova de dentes: cada um tem o seu.

Mas tem outros tipos de brigas de casal. Se, por exemplo, o governo é legitimado pelo povo trabalhador, a história é outra. A imprensa fica louca. Ciumenta, ela jamais esquece.

Escândalo do Mensalão? É quatro anos de falação diária, meu filho.

Vitória eleitoral da Dilma, aquela sirigaita? É dormir no sofá pelas próximas 100 edições de jornal.

Pleno emprego, dólar a R$ 1,90, gasolina a R$ 2,80? Tá querendo se exibir pra quem? Vai fazer autocrítica!

Ah, a Dona Imprensa brasileira… É uma romântica!

Sorte dela que não está sujeita ao voto. Viver de monopólio é uma bênção. Dá pra mentir e fazer chantagem com bastante segurança.

Eu peço desculpas pelo machismo estrutural embutido na metáfora (já me antecipando à patrulha). Essas formações passionais de casamento, ademais, estão todas nas letras de música de Chico Buarque.

Ou: isso aqui não é um tratado sociológico ou um paper científico, é só uma crônica.

E que falta faz um amante latino (ou uma amante latina) à nossa Bovary jornalística tupiniquim, amargurada, sonhadora e com síndrome de Estocolmo até a medula.

Ninguém quer.

Ela vai passar o pano para o mozão Bolsonaro até 2022, com renovação dos votos matrimoniais até 2026.

A imprensa brasileira, caras pálidas, é aquela cidadã que pediu para beijar o ex que tentou assassiná-la, em pleno tribunal de julgamento.

Porque o mundo-cão político-passional é a grande mola propulsora dos orgasmos selvagens (eita! Essa é do meu inconsciente, cobrem dele).

E que saudade do meu ex e da minha ex.

Também lê:

Charge de Miguel Paiva

A carnavalização da política

“O carnaval voltou para onde nasceu para desespero dos governantes, cantando novamente as agruras políticas do país e na Avenida,…

Evo Morales

Homens da CIA no golpe da Bolívia

“Outro que traiu Evo foi seu amigo (ex-amigo) Panchito, apelido de Ramiro Flores Montano, cooptado pela CIA quando servia, indicado…

Jair Bolsonaro e General Augusto Heleno

Brasil de Jair parece um barco à deriva, confuso e sem rumo

“Quantos votos o general Heleno recebeu nas últimas eleições? Alguém sabe? Com que legitimidade afronta o Congresso Nacional? Embora…

O joguete de Trump contra os BRICS

Se o ataque ao general iraniano Suleimani quase desestabilizou a região do Oriente Médio, em seguida outras ações de Donald Trump…

Brasil caminha para ser uma grande Colômbia

“Um país regido por um modelo político assentado no tripé forças armadas, milícias paramilitares e partidos de extrema direita”,…

Fonte: https://www.brasil247.com/blog/dona-imprensa-e-seus-dois-jaires?amp#.XlGkwZKot0g.twitter

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s